fabrica_moveis.jpg

Capacitação de mão de obra é objetivo de programa do Sindimol

Preocupados com a escassez de mão de obra qualificada para atuar nas fábricas de móveis seriados e marcenarias do polo moveleiro de Linhares, o Sindicato das Indústrias da Madeira e do Mobiliário de Linhares e Região Norte do ES, Sindimol, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem da Indústria, Senai, lança o programa de qualificação de mão de obra. A previsão é capacitar 100 profissionais ainda este ano.

O presidente do sindicato, o empresário Bruno Barbieri Rangel, explica que com o crescimento do setor industrial do município as fábricas de móveis foram afetadas pela migração de profissionais para outras indústrias, o que influência diretamente na produtividade, por isso a decisão de investir na formação de mão de obra.

"O setor industrial em Linhares cresceu de forma considerável nos últimos anos, criando uma concorrência por mão de obra especializada, e as fábricas de móveis foram bastante afetadas com a migração de profissionais para outras indústrias, o que influencia diretamente em nossa produtividade, e exige de nós empenho para fomentar o interesse da sociedade em trabalhar na indústria moveleira de nossa região”, esclarece Barbieri.

Outro motivo importante para formação de profissionais, segundo o presidente, é o crescimento tecnológico do setor. "Nossas indústrias cresceram e se modernizaram, e para continuar se desenvolvendo precisamos cada vez mais de profissionais qualificados e capacitados, que possam contribuir de forma efetiva com a melhoria dos processos de produção e de qualidade dos produtos”.

O empresário e Diretor de Comunicação do Sindimol, Gustavo Nascimento, da Panan Móveis, diz que já sofre com a falta de profissionais qualificados no mercado, por isso vê com bons olhos a iniciativa do sindicato. Para ele essa também é uma maneira de criar oportunidade para comunidade local.

"Nós já sentimos os efeitos da falta de mão de obra específica, qualificada, por isso apoiamos essa iniciativa do sindicato. Essa também é uma maneira de valorizar a comunidade que estamos inseridos, gerando oportunidade e renda para as famílias locais, e ganhos de produtividade e qualidade para as empresas moveleiras”, destaca Gustavo.

leia: MOVELEIROS DE MINAS GERAIS PROJETAM 2021 COM OTIMISMO

Feitos sob medida

A formação dos novos profissionais se dará por meio do programa Jovem Aprendiz, reformulado para atender as demandas do setor, e por meio do curso de operadores de máquina, desenvolvido pelo Senai, com a mesma finalidade. As aulas da primeira turma de jovens aprendizes, com 20 alunos, já começaram e são voltadas para formação de marceneiros. A turma de operadores de máquina, também com 20 alunos, terá início no próximo dia 08 de março.

O curso de Jovem aprendiz será feito 100% no Senai, já o de operadores será realizado, parte no Senai, e parte nas fábricas. André Pessoti, Diretor de Tecnologia do Sindimol, fala da importância do Senai nesse processo de formação de mão de obra. "O Senai, além de todo o conhecimento técnico, é uma instituição de ensino, ou seja, também tem a expertise educacional. Isso proporciona aprendizado mais completo e rápido, já que possuem métodos para isso”, pontua Pessoti.

André disse ainda que os custos com o curso de operador de máquina serão pagos pelas empresas, assim como a seleção dos alunos, também será feita pelas empresas, por meio de triagem entre os colaboradores das indústrias, oportunizando assim capacitação para quem já está atuando no setor.

(Com informações do sitedelinhares.com.br)

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato