incendio-fabrica-moveis-23-11-reg.mov-snapshot-00.21-2021.11.23-20.46.03-.jpg

Incêndio atinge fábrica de móveis no Espírito Santo

Uma fábrica de móveis pegou fogo em Colatina, no Noroeste do Espírito Santo, na tarde desta terça-feira (23). O fogo foi controlado e ninguém ficou ferido.

O incêndio começou nos fundos do local e se espalhou rapidamente, segundo relato de testemunhas. A fumaça podia ser vista de longe. Funcionários estavam trabalhando no momento.

O dono da fábrica São Camilo contou que as primeiras chamas foram vistas em um depósito de espuma, área em que, segundo ele, não havia cabeamento elétrico.

“A gente não sabe como aconteceu. Foi muito rápido, questão de minutos. Derreteu tudo”, relatou o empresário Mário Nascimento.

Uma funcionária relatou o momento de desespero ao perceber o incêndio. “Eu senti aquele calor e, quando olhei para cima, já começaram aquelas bolas de fogo. Saí correndo, passei dentro da cabine, já passei rolando no meio da fumaça e estava estourando tudo. Estou viva por um milagre de Deus”, contou a costureira Amarilda Paulista.

A fábrica fica no bairro Carlos Germano Naumann, próxima da sede do Corpo de Bombeiros. Os militares chegaram rapidamente e conseguiram impedir que o fogo se espalhasse pelo prédio.

leia: MÓVEIS DE VALOR ANUNCIA MARCAS VENCEDORAS DO PRÊMIO TOP 20

O calor intenso e o risco de desabamento do teto dificultaram o acesso dos bombeiros, que precisaram abrir buracos na parede de uma churrascaria, que fica ao lado da fábrica, para que a fumaça saísse e o fogo fosse apagado pelo lado de fora.

“Ali você tinha tudo que você não queria ter para o incêndio. Você tem aglomerado [de madeira], você tem madeira, você tem estofado, você tem tinta. Então, você tem muito material inflamável. Isso fez com que aumentasse muito potencial e dificultasse o combate às chamas. Mas conseguimos chegar no controle desse incêndio”, declarou o major Malacarne, do Corpo de Bombeiros.

O dono da fábrica estima um prejuízo em torno de R$ 500 mil.

“Ontem chegaram caixas de embalagem, perdemos todo o estoque delas, mais de R$ 200 mil de espuma, móveis prontos, móveis prontos para entregar sob medida... perdemos tudo. A empresa, infelizmente, a gente nem sabe como vai recomeçar”, lamentou o dono da fábrica.

(Com informações G1 e TV Gazeta)

*Foto: Reprodução TV Gazeta

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato

Você já conhece e segue nossas redes sociais?