lcq_2.png

Laboratório do Senai/PB é destaque na certificação de colchões

Com a expansão do setor colchoeiro nos últimos anos, é preciso que os produtos sejam submetidos a testes de qualidade feitos por laboratórios competentes, para que o colchão que chega ao consumidor final tenha sua qualidade comprovada. Segundo o INMETRO, o Brasil conta com 344 empresas de colchões de espuma e 269 fabricantes de colchões de mola, que precisam da certificação para poder vender seus produtos.

Para que haja essa certificação, as empresas fabricantes precisam submeter seus colchões aos já citados testes de qualidade, um serviço oferecido por diversos laboratórios do país. São Paulo (SP) conta com dois deles, o Rio de Janeiro (RJ) possui quatro, e outras capitais também contam com esse tipo de laboratório, como Curitiba (PR), Bento Gonçalves (RS) e Campina Grande (PB), sendo os três últimos do SENAI.

O único laboratório capaz de realizar esses testes no Norte e Nordeste, de acordo com o INMETRO, é o Laboratório de Controle de Qualidade (LCQ) do SENAI/PB. Mas a atuação não se restringe somente às duas regiões, O LCQ é acreditado para a realização de ensaios em colchões, respondendo pela parte de espumas e revestimentos, sendo um dos únicos que atendem a essa demanda no país.

O LCQ existe desde a criação do Centro de Tecnologia do Couro e do Calçado Albano Franco (CTCC), em Campina Grande. Os ensaios para a certificação de colchões foram implantados e acreditados pelo INMETRO em 2015. Como já existia a área físico-mecânica no laboratório, empresas da região Nordeste procuravam o LCQ na tentativa de introduzir o serviço de teste de controle da qualidade em colchões, para que fosse barateado o custo com transporte, que antes só era feito para as regiões Sul e Sudeste do país.

Uma vez por ano um auditor do INMETRO realiza uma auditoria em empresas que fabricam colchões, faz uma amostragem do material e lacra. Em seguida, a empresa escolhe o laboratório que deseja para serem realizados os testes e envia a amostra para os ensaios. O laboratório realiza uma “análise crítica” para verificar se o produto recebido confere com o plano de amostragem e depois fotografa. Segundo a analista Técnico Tecnológico do laboratório do SENAI/PB, Andréia Guedes, ainda na fase de ensaios, os colchões são climatizados por 24 horas, são obtidos os corpos de prova, depois são feitos cálculos de resultados e, por fim, é emitido o relatório do ensaio, que é enviado diretamente ao INMETRO para concluir a certificação.

Atualmente, os fabricantes de colchões de espumas e indústrias têxteis são o foco do laboratório, que já atendeu cerca de 50 empresas. Andréia explicou ainda, que o LCQ aumentará esse foco, uma vez que, foram implantados ensaios mecânicos em camas box e colchões de mola, ampliando o portfólio de serviços, “Recentemente, essa extensão do LCQ foi acreditada pelo INMETRO, validando nossos ensaios para atuarmos nestas novas áreas”, afirmou ela.

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato