manifesto_mvergs.jpg

Entidades gaúchas se manifestam e pedem diálogo e união no setor

Depois do comunicado assinado por várias entidades e cerca de 90 empresas moveleiras, a Movergs, Sindmóveis Bento Gonçalves e outras sete entidades gaúchas do setor divulgaram manifesto afirmando que “é crescente a preocupação do setor moveleiro gaúcho com o reajuste nos componentes e insumos bem como redução nas cotas de aquisição”. Mas destaca que “não se trata de uma disputa comercial, pois é sabido que os aumentos e a dificuldade de abastecimento afetam a todos num efeito cascata que vem desde os insumos primários. Trata-se, portanto, de buscar um diálogo construtivo e soluções colaborativas entre os pares da cadeia de madeira e móveis”.

LEIA: SEM CONSENSO EM TEMPO DE CRISE, SOBRAM VÍTIMAS, FALTAM VILÕES

Segundo a Movergs, o objetivo principal do manifesto é “clamar pela união de esforços para o enfrentamento desse momento crítico de retomada do setor”. Enfatiza a nota que os setores de base precisam compreender o impacto em cascata que causam os reajustes deliberados sobre os fornecedores da indústria e a própria indústria moveleira.

O comunicado termina com a sugestão de que se busque isentar de impostos das importações de painéis de madeira, que hoje é de 10%, visando estimular a produção industrial.

Clique aqui para ver a íntegra do manifesto.

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato