fa.jpg

liderança do varejo mundial coloca dois gigantes em confronto

No início desta semana, o Facebook silenciosamente lançou um guia de compras em seu aplicativo principal. A mudança ocorre meses depois que o gigante da mídia social introduziu um recurso semelhante de comércio eletrônico no Instagram.

Conhecido como “Facebook Shops”, o novo recurso é direcionado a pequenas empresas insatisfeitas com mercados de terceiros existentes, como a Amazon. Ele permite que eles vendam mercadorias, se comuniquem com seus clientes usando o WhatsApp e Messenger e hospedem eventos de compras ao vivo.

Isso cria uma ruga nos planos da Amazon de dominar o mercado de comércio eletrônico. Os principais rivais da empresa há muito são considerados grandes varejistas como o Walmart, que estão aprimorando agressivamente suas ofertas de compras online. Essa narrativa pode ter sido mal orientada.

Para a Amazon, a ameaça mais óbvia pode não ser necessariamente a mais perigosa. Veja por que o Facebook pode ser o desafio que Jeff Bezos nunca imaginou chegar.

O alcance massivo do Facebook é sua arma não tão secreta

Uma das maiores vantagens competitivas da Amazon é a vasta gama de produtos disponíveis na plataforma. Dados do BigCommerce estimam que os clientes tenham acesso a mais de 350 milhões de itens. A gama de produtos da Amazon é mais ampla do que seu concorrente americano mais próximo. O Walmart, o maior varejista com lojas físicas do mundo, exibiu meros 35 milhões de produtos em sua loja online em 2017. Esse número sem dúvida aumentou nos últimos três anos, embora as ofertas da Amazon permaneçam incomparáveis.

As lojas do Facebook podem mudar isso.

A base de usuários da plataforma de mídia social está se aproximando rapidamente de 3 bilhões de pessoas. As empresas seriam tolas em ignorar um mercado potencial tão grande. Assim que o novo mercado começar a ganhar força, a vantagem competitiva da Amazon pode evaporar rapidamente.

Os parceiros do Facebook têm grandes ambições de comércio eletrônico

O Facebook garantiu várias parcerias importantes para impulsionar o crescimento de seu novo recurso de comércio eletrônico. Nenhum é mais crítico do que o Shopify.

Além de megaloja como Amazon, Shopify pode ser o nome mais quente em e-commerce. Não é apenas a maior empresa de capital aberto do Canadá, mas viu suas ações aumentarem mais de 150% apenas em 2020.

A importância do Shopify como player de e-commerce está crescendo. Durante o segundo trimestre, os comerciantes do Shopify venderam coletivamente US$ 30,1 bilhões em mercadorias, um aumento de 119% ano a ano. E agora, eles podem importar seus catálogos de produtos inteiros para suas lojas do Facebook com um único clique.

Com o Shopify especializado no nicho de pequenas empresas, essa parceria pode ajudar o Facebook a rivalizar com a Amazon como plataforma de escolha para vendedores terceirizados.

VEJA: A HORA DO ACERTO DE CONTAS DO VAREJO DE MÓVEIS ESTÁ CHEGANDO

Uma proposta de valor melhor do que o Amazon Marketplace

Juntamente com seu amplo alcance e outras ferramentas que facilitam a comunicação com os clientes, o Facebook oferece um negócio melhor para pequenas empresas em comparação com o Amazon Marketplace.

O Facebook está posicionando o comércio eletrônico e os pagamentos para se tornarem os principais motores de crescimento, à medida que a empresa se transforma em uma rede social com foco na privacidade. A empresa planeja manter o modelo baseado em anúncios, de modo que não cobrará dos comerciantes uma taxa adicional para usar o recurso Lojas.

Em maio, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, explicou: “Nosso modelo de negócios aqui são os anúncios, portanto, em vez de cobrar comissão das empresas pelas lojas, sabemos que se as lojas forem valiosas para as empresas, eles vão querer dar mais lances pelos anúncios. Acabaremos ganhando dinheiro assim”.

E não se esqueça da má reputação da Amazon em relação à forma como trata os vendedores do mercado - mesmo os grandes. A gigante de roupas esportivas Nike e a varejista de móveis sueca Ikea são alguns dos nomes conhecidos que abandonaram o Amazon Marketplace.

As lojas do Facebook podem ser uma alternativa importante para empresas insatisfeitas com o Amazon Marketplace. De um aumento nas vendas de produtos falsificados a restrições frustrantes sobre quais produtos os vendedores terceirizados poderiam enviar para os armazéns da Amazon, os comerciantes tiveram muitas reclamações nos últimos meses. É por isso que é notável a Nike ter sido uma das empresas que participou do piloto Facebook Shops.

A Amazon não perderá sua coroa de empresa de comércio eletrônico dominante no mundo tão cedo. Se e quando isso acontecer, poderá descobrir que seu inimigo mais perturbador estava localizado em Menlo Park (sede do Facebook) e não em Bentonville (sede do Walmart).

(Com informações ccn)

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato