home-site-1536x864.png

Estúdios paranaenses recebem Prêmio Museu da Casa Brasileira

Criado em 1986, o Prêmio MCB tem como objetivo principal reconhecer a excelência do design brasileiro, valorizar a atuação dos profissionais e, consequentemente, incentivar e fortalecer a área. Em 2021 o evento foi realizado pela primeira vez em formato exclusivamente digital e surpreendeu seus idealizadores recebendo 431 inscrições, o maior número de trabalhos escritos dos últimos três anos.

Para Miriam Lerner, diretora geral do Museu da Casa Brasileira, a premiação se mantém como necessário ato de resistência, mantendo o protagonismo do museu na centralização do debate das questões que envolvem o campo do design e no reconhecimento de talentos espalhados pelo Brasil. “Anualmente buscamos trazer um panorama da produção brasileira em categorias que abrangem o design de produtos e a trabalhos escritos, acadêmicos e editorial ligados ao mercado. Além disso, tem sido, ao longo de toda a sua existência, fundamental na construção da identidade do design nacional”, destaca Miriam.

Em 2021, os inscritos nas categorias de produtos foram analisados a partir do conteúdo textual, das imagens e dos desenhos de projeto fornecidos, sob critérios como: originalidade; concepção formal – que diz respeito aos aspectos estético formais; inovação tecnológica; adequação ao mercado e público-alvo; viabilidade industrial; qualidade e segurança; sustentabilidade e impacto social.

Entre os vencedores da 34ª edição do prêmio se destacaram os estúdios paranaenses Produteca e Dsgnselo, com projetos de mobiliário e iluminação. A Mesa Compasso, da Produteca foi classificada em primeiro lugar na categoria Mobiliário, além dela outros dois produtos de designers paranaenses aparecem entre os selecionados: o Mancebo Varetas de Leandro Garcia e a Cadeira Medalinha de Lucas Bond Schwartsburd. Já o estúdio Dsgnselo recebeu destaque na categoria Iluminação, alcançando o 2º lugar com a coleção Glória, com as peças Glória Parede 2, Pendente 1 e Piso 1.

LEIA: JADER ALMEIDA RECEBE CONVIDADOS NA ABERTURA DE SUA FLAGSHIP STORE

Sobre os vencedores

Mesa compasso da Produteca

Mesa Compasso - Produteca

A Mesa Compasso da Produteca foi desenvolvida para ser um móvel que acompanhasse o desenvolvimento da criança, aumentando sua durabilidade. Por esse motivo o material escolhido para sua fabricação foi a madeira, por ser mais durável e por permitir a multifuncionalidade do móvel. A mesa premiada, além de poder se transformar em uma cabana, também pode ser utilizada no modo de lousa e em sua forma original, que é uma prancheta. Outro diferencial da peça é que ela é adaptada para cadeirantes, reforçando seu impacto no quesito da inclusão social.

“A gente conquistou o 1° lugar em uma categoria de mobiliário no Museu da Casa Brasileira que basicamente é um prêmio que se originou especialmente por objetos de casa, ou seja, a categoria Mobiliário é uma das principais do prêmio. Então não é só o primeiro lugar, tem um gostinho ainda mais especial porque é uma categoria muito forte e de concorrência muito grande”, conta Felipe Aranega, sócio da Produteca e um dos autores da Mesa Compasso. “A gente ficou muito feliz, para nós, esse prêmio coloca a gente no hall da fama, onde a gente acaba se destacando com grandes ícones do design brasileiro, como Sergio Rodrigues e Jader Almeida”, completa o premiado.

LEIA: CONHEÇA OS FINALISTAS DO PRÊMIO SALÃO DESIGN 2022
Coleção Glória do estúdio Dsgnselo

Coleção Glória - Dsgnselo

Já a coleção Glória, do estúdio Dsgnselo, que ganhou o 2º lugar na categoria Iluminação, traz linhas e conceitos inspirados em características do mobiliário modernista brasileiro. A linha é uma celebração ao centenário da Semana de Arte Moderna de 1922, que revolucionou a estética nacional em diversas áreas.   

A coleção Glória tem um total de oito peças, mas no prêmio apenas três foram inscritas. Um dos elementos mais marcantes desses itens premiados é o uso da madeira natural, “já existia a ideia em aplicar madeira nativa do Brasil nas nossas criações, mas isso só aconteceu com a chegada de um fornecedor certificado de Imbuia.  A beleza do material natural do Sul do país, extraída de forma sustentável, aparece com sutileza, mas marca o desenho dessas peças”, comenta o designer Alberth Murta da Dsgnselo que assinou a coleção.

As peças têm filtros de iluminação sintético, desenvolvido pelo Light Lab da Dsgnselo, unidade de pesquisa e desenvolvimento de novos projetos da marca. O material derivado da indústria automobilística é translúcido e de alta resistência, possibilitando um efeito de luminosidade difusa e suave quando aplicado sob uma fonte de luz. “Receber o Prêmio do Museu da Casa Brasileira é uma honra e significa muito para nós!

Sem dúvida que é um momento histórico porque três dos produtos pertencentes a nossa linha Glória alcançaram o segundo lugar na categoria iluminação. Algo que nunca tinha acontecido antes”, se orgulha Murta.

leia: PARIS MOSTRA A CASA DO PÓS-PANDEMIA DURANTE SEMANA DE DESIGN
Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato

Você já conhece e segue nossas redes sociais?