girotech.png

Fintech cria método para empresas anteciparem recebíveis

A antecipação de recebíveis tem se tornado uma das modalidades de crédito cada vez mais disseminadas no Brasil. De acordo com dados do Banco Central, em agosto, esta foi a linha de crédito empresarial que mais cresceu no país totalizando R$ 83,7 bilhões, uma alta de 31,5% em relação ao mesmo período de 2018.

Os recebíveis são títulos de crédito estabelecidos por uma negociação entre compradores e fornecedores com um valor negociado a ser pago em um prazo determinado. Muitas vezes, no entanto, o fornecedor sente a necessidade de antecipar o recebimento, em função de alguma necessidade de fluxo de caixa, seja para sustentar suas atividades ou realizar investimentos.

A antecipação surge como uma alternativa ao empréstimo, pois o empresário utilizará um valor que já é de sua empresa, portanto as taxas são menores que a dos empréstimos disponíveis. A burocracia menor também é uma das grandes vantagens desse tipo de negócio.

Para que essa prática seja mais utilizada pelas empresas e mais rápida, as fintechs estão investindo na automação, para que o processo de antecipação de recebíveis aconteça em poucos minutos, no meio digital e com juros mais atraentes. "Com as Fintechs, é possível ter a garantia de pagamento pelo comprador (risco controlado), e assim ter acesso a juros baixos e sem aquela burocracia que geralmente existe em empréstimos com grandes instituições financeiras", conta Ronaldo de Oliveira, sócio-diretor da Giro.Tech, fintech especializada em antecipação de recebíveis.

A Giro.Tech é uma das startups que visa tornar a relação com os fornecedores menos burocrática e, por isso, propõe uma integração com o sistema da compradora para que o risco de fraude ou conluio seja eliminado. Dessa forma, as taxas partem de 1%, um percentual abaixo dos encontrados no mercado, que giram em torno de 3% e podem chegar até em 10% para os pequenos empresários.

"Bom para o fluxo de caixa do pequeno empresário e também para as grandes empresas, que têm a sua cadeia de fornecimento fortalecida, podendo contar com a qualidade dos produtos e serviços entregues. Esta prática tem sido cada vez mais valorizada e bem-vista no mercado mundial e no Brasil e assegurado o crescimento acelerado de antecipações”, explica o diretor.

E por fim, o crescimento desta modalidade de crédito está vinculado à publicação da Lei 13.775, que autoriza a criação de duplicatas eletrônicas, garantindo maior liberdade e segurança nestas transações.

“Após a lei, que passou a valer em 21 de dezembro de 2018, o mercado aqueceu. Nós ampliamos o volume de antecipações em 200%. E de janeiro até setembro deste ano antecipamos mais de R$30 milhões em recebíveis”, afirma Ronaldo de Oliveira. A Giro prevê que até dezembro de 2019 sejam antecipados mais de R$50 milhões para pequenos e médios empresários.

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato