woman-holding-we-are-open-sign_(1).jpg

Lojas de móveis na Inglaterra vão reabrir em abril, diz governo

O primeiro-ministro anunciou seu roteiro para a flexibilização das restrições da Covid-19 em toda a Inglaterra.

Todas as lojas - incluindo as classificadas como varejo não essencial como as de móveis e colchões, poderão abrir a partir de segunda-feira, 12 de abril, caso sejam satisfeitas condições diversas, como: o programa de vacinação seguir conforme o planejado; a vacina reduzir suficientemente as taxas de mortalidade e hospitalização; não houver aumento nas internações hospitalares; e nenhuma nova variante alterar fundamentalmente o risco de levantamento das restrições.

Sobre o plano, Helen Dickinson OBE, executiva-chefe do British Retail Consortium, disse: “Embora sejamos encorajados por um plano de reabertura de lojas não essenciais, o forte impacto da pandemia significa que alguns talvez nunca consigam. O custo das vendas perdidas para lojas não alimentícias durante o bloqueio é agora de mais de £ 22 bilhões (US$ 31 bilhões) e está aumentando. Cada dia que uma loja fica fechada aumenta as chances de ela nunca mais abrir - custando empregos e prejudicando as comunidades locais.

leia: NOVAS RESTRIÇÕES NO FORNECIMENTO DE ITENS QUÍMICOS PARA COLCHÕES

“As lojas não essenciais estão prontas para serem reabertas e têm investido centenas de milhões para se tornarem seguras para a Covid. O governo deve permanecer flexível e permitir que o varejo não essencial reabra assim que os dados sugerirem que é seguro fazê-lo. Até que seja permitido, os varejistas precisarão de apoio contínuo do governo”, reiterou Dickinson. 

Para evitar mais perdas de empregos e fechamentos permanentes de empregos, o Chanceler deve anunciar um alívio de taxas de negócios direcionado a partir de abril e estender a moratória sobre a execução de dívidas, bem como remover os limites de auxílio estatal sobre as concessões comerciais da Covid. Isso aliviaria as empresas em dificuldades de contas que não podem pagar atualmente e permitiria que negociassem para se recuperar.”

Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte estabelecerão seus próprios planos em breve.

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato