bandeira_2.png

PIB tem alta bem acima do esperado no 3º trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro teve alta de 0,6% no 3º trimestre de 2019 na comparação com o primeiro trimestre de 2019. Os dados foram divulgados nesta terça-feira, 3, pelo IBGE. Em valores correntes, o PIB chegou a R$ 1,842 trilhão. Na comparação com igual período de 2018, o PIB subiu 1,19%.

A expectativa, de acordo com a média das projeções de economistas consultados pela Bloomberg, era de um crescimento de 0,4% na comparação trimestral e de alta de 1% na comparação anual.

O instituto ainda revisou o PIB de 2018 para cima, de 1,1% para 1,3%. O IBGE também revisou o resultado do PIB do 2º trimestre, para uma alta 0,5%, ante leitura de avanço de 0,4% feita anteriormente. Já o resultado do 1º trimestre foi revisado para uma estabilidade, em vez de queda de 0,1%.

Na base trimestral, a maior alta foi da agropecuária. Com crescimento de 1,3%, seguida pela indústria (0,8%) e pelos serviços (0,4%).

Conforme aponta o IBGE, o crescimento na indústria se deve às extrativas (alta de 12,0%, puxada pelo crescimento da extração de petróleo) e à construção (1,3%). Recuaram no trimestre eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (-0,9%) e indústrias de transformação (-1,0%).

Nos serviços, os resultados positivos foram em atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (1,2%), comércio (1,1%), informação e comunicação (1,1%), atividades imobiliárias (0,3%) e outras atividades de serviços (0,1%). Já os recuos foram nas atividades de transporte, armazenagem e correio (-0,1%) e administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (-0,6%).

Pela ótica da despesa, a formação bruta de capital fixo (2,0%) e a despesa de consumo das famílias (0,8%) tiveram variação positiva. Já a despesa de consumo do governo (-0,4%) recuou em relação ao trimestre imediatamente anterior.

No setor externo, as exportações de bens e serviços recuaram 2,8%, enquanto as importações de bens e serviços cresceram 2,9% na mesma comparação.

Para a indústria moveleira, o dado mais importante do PIB em 2019 é o aumento de 1,8% no consumo das famílias. Isso corresponde a um valor acumulado no ano de R$ 3,473 trilhões, projetando um valor superior a R$ 4,630 trilhões. A se confirmar, este número vem acima das projeções contidas no estudo Mapa do Mercado, do Instituto Impulso, que previa R$ 4,7 trilhões em 2019. Este é um dado relevante para formação do potencial de consumo de móveis.

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato