moveis_chineses.jpg

Qualidade amplia importações de móveis chineses ao Brasil

A exportação de móveis chineses para o Brasil aumentou significativamente nos últimos anos, passando da casa dos 144 milhões de dólares em 2010 para 277 milhões em 2018, o que representa um aumento de 92% no período.

Em quantidade, os chineses estão vendendo principalmente móveis de metal e plástico, porém a demanda por móveis de madeira vem aumentando e representando também uma boa fatia desses 277 milhões de dólares que foram gastos em 2018.

No entanto, esse ainda é um mercado em expansão e, portanto, pode crescer ainda mais. Isso porque a China, só no primeiro semestre de 2018, exportou mais de 10 bilhões de dólares em  móveis, o que mostra que os 277 milhões de dólares de 2018 representam uma parcela pequena do valor total vendido pelos chineses.

Entre os produtos mais procurados estão assentos de madeira e móveis de madeira para quartos (57% de todos os produtos. Outros móveis chineses que também são muitos procurados são mobília personalizada para casas, móveis de aço em geral, móveis para escritório e móveis para ambientes comerciais.

A grande mudança é que há tempos os produtos chineses não são mais sinônimos de má qualidade e de imitações baratas. Ao contrário, a qualidade dos móveis produzidos na China é notável, tanto que a sua importância avançou bastante, suficiente para se tornar o terceiro ramo mais importante para a exportação do país, ficando atrás apenas dos eletroeletrônicos e do vestuário.

Assim, a China tornou-se uma atração para quem gosta de decoração e de móveis de qualidade, e que levam design que integra a beleza dos móveis antigos e a durabilidade dos modernos.

Você confere um panorama mais completo sobre o mercado de móveis chineses acessando aqui nossa revista digital.

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato