129_sala.jpg

Veja dados sobre a mudança da percepção dos lares na pandemia

*Por Fabio Garcia Head of Industry para o VarejoGoogle e Antonella Weyler Market Insights LeadGoogle Brasil

Não tem como falar de pandemia sem falar da nossa casa. Enquanto as ruas estavam vazias no começo da quarentena, nosso lar passou por uma verdadeira revolução. Como essa transformação mudou nosso dia a dia? Para responder, conduzimos pesquisas e analisamos os dados de buscas no Google e no YouTube em mais de 100 categorias dentro do universo de casa.

Indo além das buscas, também procuramos olhar de perto a casa dos brasileiros. Em parceria com a consultoria Consumoteca, fizemos uma imersão em 20 lares. Por uma semana, acompanhamos remotamente a rotina de pessoas – de diferentes classes sociais e com arranjos familiares distintos –, em São Paulo, Porto Alegre e Fortaleza. E ainda fizemos uma rodada de entrevistas ao final da etapa de imersão.

Além de compreender o que mudou na nossa relação com a casa, fomos guiados por 2 perguntas-chave: quais comportamentos serão mantidos depois de um ano e meio vividos como nunca dentro de casa? E quais serão os novos rituais e demandas de consumo da casa do brasileiro?

A retomada dos sonhos

A mudança da nossa relação com a casa não foi linear. A primeira fase, ainda no início da pandemia, foi marcada por muita ansiedade; a vida estava em suspenso. Nesse momento, fizemos adaptações em nossas casas de uma maneira provisória, com a esperança de que logo tudo voltaria ao normal.

Passado um ano de reclusão, entendemos que não seria possível adiar indefinidamente os planos. Decisões importantes como mudanças, reformas, ou ainda o nascimento de filhos, casamentos, ou mesmo divórcios voltaram a gerar novas demandas e desejos. Agora, não estamos mais adaptando a casa para algo passageiro, mas sim preparando nossos lares para a vida que queremos construir... CLIQUE AQUI PARA CONTINUAR LENDO.

 

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato

Você já conhece e segue nossas redes sociais?