moveis_europa.jpg

Setor de móveis europeu pede recuperação harmonizada

O setor de móveis europeu expressou sua preocupação com a falta de uma resposta harmonizada em toda a União Europeia à pandemia do coronavírus, relata a Confederação Europeia das Indústrias de Móveis (EFIC).

A confederação aponta que, juntamente com os desafios colocados pela pandemia, as indústrias de móveis e colchões também enfrentam a disponibilidade reduzida de matérias-primas, um aumento considerável nos preços das matérias-primas e gargalos logísticos, e que as respostas díspares dos estados membros da UE em termos de bloqueios, fechamento de fronteiras e programas de vacinação lentos agravaram as complicações de produção e entrega, além de prejudicar as vendas de móveis.

O setor recebeu, na sequência, a comunicação da Comissão, de 17 de março, que delineia uma reabertura coordenada nos Estados-Membros, bem como o acordo dos líderes da EU, de 25 de março, sobre os preparativos para uma abordagem comum para o levantamento gradual das restrições, com o objetivo de assegurar um esforço coordenado quando a situação epidemiológica o permite, além de privilegiar o fluxo livre de mercadorias no mercado único. 

leia: NOVA RODADA DE ALTA NOS INSUMOS IMPACTA CUSTOS DOS COLCHÕES

A indústria europeia de móveis e colchões gera um faturamento anual de € 96 bilhões e emprega cerca de um milhão de trabalhadores em 120.000 empresas em toda a UE, enquanto o setor de varejo de móveis representa mais de 100.000 empresas. Em 2020, a produção de móveis na UE-27 recuou -7,4%, com uma redução geral de encomendas, importações, exportações e volume de negócios ao longo do ano, com diferenças significativas entre os diferentes segmentos de mercado (o mobiliário residencial manteve-se em alta demanda em comparação com móveis institucionais), enquanto o setor de varejo de móveis também sofreu uma queda notável nas vendas, diz a EFIC. 

O setor europeu do mobiliário solicitou às instituições da UE e às autoridades dos Estados-Membros que garantissem: maior harmonização no que diz respeito a uma reabertura rápida; implantação mais rápida da vacina; mercado único aberto, sem fronteiras fechadas entre os Estados-Membros da EU; livre circulação de bens e serviços; e regras claras para o setor quanto ao planejamento e organização de feiras europeias e internacionais.

(Com informações furniturenews)

 

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato