venda-de-moveis.jpg

Venda de móveis deve crescer ainda mais na Black Friday

O novo consumidor ou os novos hábitos de consumo vão ditar a Black Friday de 2020, realizada em meio à pandemia do novo coronavírus. Móveis e produtos para residência devem ter um salto nas vendas maior do que o de anos anteriores e podem ter destaque pela primeira vez itens como materiais de construção, normalmente pouco afetados pela tradicional data de descontos no varejo.

O economista-chefe da CNC (Confederação Nacional do Comércio), Fabio Bentes, diz que a Black Friday deste ano vai consolidar a tendência de que o brasileiro está mais preocupado com a renovação de sua casa e com cuidados pessoais que antes não dava tanta importância.

"Se você comparar o varejo deste ano com o do ano passado, verá uma mudança clara de comportamento. As vendas de móveis e eletrodomésticos, assim como a de materiais de construção, subiram mais de 20% em comparação com o que se comercializava no início de 2020", afirma o economista.

Segundo ele, o consumidor está usando o dinheiro economizado com a redução nos gastos com o setor de vestuário e gasolina para outras despesas, e se voltando para o local onde tem ficado bem mais tempo por causa da quarentena: sua casa.

Bentes conta que o setor de móveis e eletrodomésticos, o primeiro a aderir a Black Friday no país, já era o terceiro maior em negociações na data, e deve aumentar sua participação. A entidade estima que sozinho ele movimente R$ 853 milhões este ano.

Em comparação com janeiro e fevereiro de 2020, e feito o ajuste sazonal (isso porque o apelo de cada produto varia de acordo com o período do ano), setembro mostrou que as lojas desses setores faturaram 25% mais.

Materiais de construção não ficaram tão atrás, com crescimento de 23,2%, seguido por artigos de uso pessoal e doméstico, com 12,7%.

Em outras palavras, os três segmentos que mais elevaram o faturamento nos últimos meses atendem ao sujeito que quer se sentir cada vez melhor em seu domicílio.

O economista da CNC acredita que a pandemia fez o brasileiro rever algumas de suas regras na hora de comprar. "Existia uma resistência, por exemplo, no momento de comprar alimentos nos supermercados, mas as vendas dispararam nesse período de quarentena."

A confederação de comércio espera uma disparada nas vendas de super e hipermercados na edição deste ano, com R$ 916 milhões em movimentações. Ficam atrás apenas dos insuperáveis eletroeletrônicos (celulares, notebooks etc.), com mais de R$ 1 bilhão esperado nos caixas das empresas.

Receio similar ao de comprar alimentos ainda ocorre com os consumidores com os produtos de vestuário.

"É uma questão cultural. No caso da comida, a pessoa tem medo de ela não ser bem selecionada, e as roupas precisam ser vestidas, experimentadas."

A projeção da CNC é que o período de promoções deste ano deverá movimentar R$ 3,74 bilhões no total, maior valor desde que a data foi incorporada ao calendário do varejo nacional, em 2010.

Confirmada essa expectativa, o faturamento representará crescimento de 6% (1,8% em termos reais, descontada a inflação) em relação à Black Friday do ano passado.

leia: FALTA DE INSUMOS DEIXA BLACK FRIDAY MENOS AGRESSIVA

E-commerce turbinado

Bentes diz que o evento em 2020 não corre risco de naufragar ainda que siga em elevação o número de infectados pela covid. "Fala-se em segunda onda e há governos que ameaçam restringir novamente as atividades. Mas, mesmo se isso ocorrer, o costume na Black Friday é de compras pela internet, uma tradição que neste ano ficará ainda mais fácil."

Para ele, se for confirmado o sucesso de vendas, boa parte do mérito caberá ao desenvolvimento expressivo das entregas e da logística no país.

"O varejo teve que se adequar na marra ao isolamento social. Chegou um período, entre maio e julho, que quem não estivesse no e-commerce e não oferecesse entrega, estava praticamente fora do mercado. A estrutura de logística foi anabolizada e a musculatura ficou mais desenvolvida por causa disso", argumenta.

Resultado: de março a setembro, de acordo com números da Receita Federal, as vendas online no Brasil cresceram 45% na média mensal na comparação com os mesmos períodos do ano passado.  A quantidade de pedidos no varejo eletrônico mais que dobrou no mesmo período, com avanço de 110% na quantidade de notas fiscais emitidas.

A explicação está na necessidade dos comerciantes, mas também na multiplicação de ofertas de entrega. "Quando há concorrência, a tendência é que o serviço melhore e o preço caia. Foi o que aconteceu", afirma Fabio Bentes.

(Com informações do R7)

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato