Notícias

Views 443

Juros futuros recuam com resultado do varejo

Em contexto de queda da meta inflacionária, agentes financeiros veem taxas baixas por mais tempo


Os juros futuros registraram firme queda nesta quinta-feira (12), enquanto os agentes financeiros vislumbram períodos mais longos de taxas baixas de juros em um contexto de queda da meta inflacionária.

 

Poucos dias após mais uma surpresa com a inflação, foi a vez do resultado do volume de vendas no varejo de fevereiro mostrar um ambiente propício para estímulo monetário. De acordo com informações divulgas pelo IBGE, o comércio ficou no negativo no segundo mês do ano, contrariando as expectativas do mercado.

 

Alguns analistas de mercado consideraram o resultado de vendas no varejo “péssimo” e dessa maneira avaliam que o mercado já vislumbra a possibilidade de ciclo mais longo de juros baixos e possibilidade menor de altas futuramente.

 

Metas de inflação

 

A conjuntura econômica dá suporte à expectativa de queda nas metas de inflação. O debate foi estimulado ainda por matéria do jornal "O Globo", que aponta como certa a decisão do Conselho Monetário Nacional (CMN) de derrubar o alvo de 2021 para 3,75% ao ano.

 

Em resposta à matéria, o Banco Central (BC) negou a informação de que já houve uma definição e reiterou que a nova meta só sai na reunião do CMN, em 26 de junho. Ainda assim, o mercado já vem trabalhando com o cenário de queda gradual das metas. No ano passado, já foi definido que a meta de inflação sai do nível atual de 4,50% em 2018 para 4,25% em 2019 e 4,00% em 2020.

 

De acordo com o economista-chefe da gestora de recursos Garde, Daniel Weeks, em declaração publicada pelo Valor Econômico, “a percepção é a de que vamos ver uma 'escadinha' na meta de inflação até aproximadamente 3%, que ficaria em linha com emergentes mais sérios”. México, Colômbia e China, por exemplo, têm a meta centrada em 3%.

 

Selic

 

Caso essa trajetória da meta de inflação confirme, a leitura é de que a Selic não precisará subir tanto no futuro, ficando em níveis mais contidos por mais tempo. Isso porque as metas mais ousadas, em um contexto de BC com credibilidade, tendem a afetar positivamente as expectativas, o que ajudaria a conter a própria inflação e limitar a necessidade de juros mais altos.

 

No meio do caminho, entretanto, há a incerteza política e a necessidade de ajustes econômicos. O que deve mostrar se o alvo é ambicioso demais é a situação fiscal, que depende dos esforços de um futuro governo para ajustar as contas públicas.

 

A atual direção da política econômica abre espaço para queda na meta de inflação, que se torna um cenário crível, mas não isento de riscos. Na avaliação de economistas, o BC venceu uma batalha importante para ancorar expectativas de inflação, mas o que define a inflação é a situação fiscal. "Não é por causa de 0,25 que vamos ter um cenário totalmente diferente. Se der errado, até os 4% ficam ambiciosos", afirmou a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif.

 

Em um cenário benigno, avalia a economista, o novo governo deve mostrar que possui uma agenda forte, mesmo que não seja fácil para aplicá-la. Neste caso, dadas as condições econômicas, o BC vai conseguir manter a Selic em território expansionista por um "bocado de tempo". E quando for o momento de subir juros, será menor que o esperado.

 

No entanto, até a reunião do CMN em junho, não se deve ter tanta clareza. Com isso, a queda da meta de inflação pode ter cunho simbólico. "A redução da meta -- de 4% para 3,75% -- reafirma a confiança de que as reformas serão feitas, tem um simbolismo muito grande", finaliza a profissional da XP Investimentos.

 

(Com informações de Valor Econômico)




Continue recebendo as melhores informações do setor moveleiro

ASSINE NOSSA NEWS