Piores clientes não são demitidos, eles estão sendo privilegiados

 

Existe um ditado de que a gente diz o que quer e às vezes ouve o que não quer. Isso se aplica ao que aconteceu comigo semana passada.

Recebi um telefonema do diretor comercial de uma empresa fabricante de painel. Não vou divulgar o nome porque ele não me autorizou. Mas, enfim, o que importa mesmo, como costumo dizer, é o que se disse e não necessariamente quem disse.

Devo admitir que fazia muito tempo que não recebia ligações de dirigentes de fábricas de painéis e, por um instante, imaginei que talvez ele quisesse falar sobre anúncios, quem sabe um plano de comunicação em nossos veículos, coisa que não acontece há muito tempo porque como já disse antes, comunicação com o cliente não é o forte deles.

Mas o que ele queria era perguntar se eu havia visto as promoções – principalmente do MadeiraMadeira e Mobly, que tem mais representatividade na venda de móveis – na black Friday brasileira, a Semana Brasil. E antes de dizer que sim eu tinha visto, ele emendou: como é possível dar desconto de mais de 50% na venda de móveis, se os fabricantes estão criticando a gente por aumento de preços nos painéis? Quem está bancando estes aumentos? Por que fazer promoção quando as indústrias reclamam de escassez de matérias-primas e não estão dando conta de entregar pedidos? Continuei ouvindo ele dizer que leu no nosso portal, algumas marcas informando que as vendas estão suspensas até janeiro.

Tudo o que ele disse era a mais pura verdade. Pra que o lojista pressiona a empresa por preços baixos se depois joga fora parte do lucro, concedendo descontos que o consumidor não pediu?

Concordei com ele e não tinha como contra-argumentar.

Leia: Por que demanda baixa das famílias é bom para o setor

Nestes pouco mais de 60 dias de mercado aquecido não aproveitamos para corrigir os erros do passado.

Tenho de admitir, inclusive agora para este diretor que me ligou, que estou decepcionado porque os piores clientes não foram demitidos, ao contrário, continuam vendendo móveis a preços de banana, enquanto centenas de pequenos lojistas estão pedindo por favor para poder comprar, sem se importar muito com o preço. E para eles falta mercadoria, mas sobra para promoções absurdas dos gigantes que pensam muito mais em vender do que em lucrar e olham mais para o movimento da bolsa de valores do que para o catálogo de produtos das empresas. Vivem de promoção para vender mais que o concorrente e, assim, agradar os acionistas. Os fornecedores pagam a conta.

Cá entre nós: uma informação aos menos avisados, vem aí a Black Friday

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato