De promoções absurdas, os excessos da mídia e a atração de investidores

Hoje teria muitos assuntos para tratar, como esta absurda estratégia comercial, do “30/300”, que imaginei coisa do passado.

Antes do tema desta semana, agradeço às centenas de mensagens de congratulações pela passagem dos 20 anos da Móveis de Valor. Não somos unanimidade, mas a maioria destaca o nosso trabalho como necessário e de valor. Que bom. E, com certeza, vamos aprimorar ainda mais nosso conteúdo e criar novos projetos, pois isso está no nosso DNA.

E hoje teria muitos assuntos para tratar. Como esta absurda estratégia comercial, do “30/300”, que imaginei coisa do passado, pois só é viável em países com inflação zero e juro negativo e, pior ainda, está sendo usada quando falta matéria-prima e os preços são reajustados todos os meses. Não é assim que vamos ter uma indústria saudável.

Mas, vou tratar de uma questão que me causa profunda irritação, que é ver a chamada grande imprensa criticar apenas pelo vício de criticar. Na última semana o Estadão anunciou em manchete de capa o fato de o Senado ter aberto edital para comprar 10 conjuntos box e 10 colchões para camas para os apartamentos funcionais, em Brasília. É isso mesmo, um estardalhaço pela compra de 10 colchões. E a notícia circulou por dezenas de sites e blogs. Foi dito que o preço de referência de 2.600 para cama box e 1.300 para colchões era um absurdo. Também se ironizou a compra pelas características requintadas: o colchão box precisa ser “queen size”, ter “mola ensacada com tela de alta resistência”, “tecido jacquard bordado com manta de espuma”, “manta de feltro agulhado”, além de “sistema estabilizador nos cantos e laterais do colchão”. Teve até deputado pedindo pra justiça cancelar o Edital.

Não estou defendendo o Senado, mas o problema é que as pessoas são levadas a um grande equívoco, quando jornalistas que não sabem nada de colchão se propõem a criticar pelo prazer de criticar. Basta avaliar os preços em qualquer e-commerce pra ver que os preços de referência da licitação estão alinhados com o mercado. E que não há nas características exigidas nenhum requinte em uma cama box queen, com mola ensacada e sistema estabilizador nas laterais para evitar deformação das bordas. Isso tudo é comum nos colchões que estão no mercado hoje.

Trata-se apenas de produtos de boa qualidade, o que deveria ser sempre exigível quando se trata de colchões, pela importância que eles têm na vida das pessoas, sejam elas senadores ou não.

Mas tem sido comum – infelizmente – a grande imprensa falar de móveis com viés negativo, por ignorância, prejudicando a imagem dos móveis e colchões diante dos consumidores.

Veja: MÓVEIS DE VALOR 20 ANOS: VISÃO 21 A MVTV, PROJETOS INÉDITOS NA HISTÓRIA

Outro assunto que bombou no nosso portal semana passada foi sobre a captação dos R$ 3 bilhões por parte das três principais startups do setor. O tema foi tratado pelo jornal o Globo, mas não teve a repercussão dos colchões do Senado.

Enfim, parece que finalmente os investidores estão prestando mais atenção no potencial de mercado que mobiliário representa. Há, sem dúvida, muito espaço para crescer. E, pode ser que agora, tendo que apresentar lucro aos acionistas, estes e-commerces comecem a vender móveis com mais valor agregado. Afinal, por conta da guerra de preços a Mobly encerrou o ano de 2020 com prejuízo de 40 milhões. Certamente MadeiraMadeira e Westwings não obtiveram resultados muito diferentes.

Cá entre nós: Por que as maiores indústrias de móveis do País até agora não se movimentaram para abrir o capital na Bolsa? Afinal, como disse um especialista em investimentos, “Como há poucas empresas do setor listadas na Bolsa brasileira, as novatas tendem a receber aportes vultuosos”.

Para responder esta pergunta, vamos voltar a tratar sobre isso logo, logo.

Esta notícia é sobre a sua empresa? se cadastre e deixe seu contato